segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

MEGA-PANELAÇO NO REVEILLON DE COPACABANA!

Enquanto o povo morre na frente de hospitais trancafiados (operação de guerra de sabotagem), se gasta milhões com ralés pseudo-artistas para imundecer o reveillon de Copacabana. Vamos humilhar Dilma e seus comunistas para o mundo ver 
O MAIOR PANELAÇO DO MUNDO! 
 
MEGA-PANELAÇO DOS 3 MILHÕES DE PATRIOTAS!
EM COPACABANA!


SE OS ARGENTINOS O FAZEM BEM FEITO,
NÓS TEMOS O DEVER DE FAZÊ-LO
MAIOR!


 CONCENTRAÇÃO NA AREIA DO POSTO 5 

DILMA, A SEM-VERGONHA!

fonte: http://www.oantagonista.com/posts/o-fracasso-das-contas-de-dilma

As contas do governo em novembro tiveram o pior resultado para todos os meses já computados.
.
O rombo foi de 21,27 bilhões de reais. O dado ultrapassou a marca de setembro de 2014, quando as perdas totalizaram 20,24 bilhões de reais. 
.
Dilma, a vermelha.


A VERMELHA 


DA CARA BRANCA 

QUE NUNCA FICA VERMELHA DE VERGONHA! 

DILMA, A SEM-VERGONHA!
.

DILMA AVANÇA GASTANÇA DO FGTS... A FUNDO PERDIDO! (ROUBO!!!!!)

O Estadão informa que o governo vai financiar 90% do Minha Casa Minha Vida com dinheiro do FGTS, poupando o Tesouro e os bancos públicos, muitas vezes obrigados a bancar o programa com recursos próprios. 

É uma ideia criativa, que diminui o risco de pedaladas, mas pendura no FGTS uma conta que nunca será paga - pois os recursos serão aplicados a fundo perdido.


A MRV VAI FICAR FELIZ DA VIDA... DINHEIRO DO FGTS PARA VENDER MORTE AO POVO... 

A SITUAÇÃO PIOROU! - NOTÍCIA DO CLUBE MILITAR!

A COISA SÓ ESTÁ PIORANDO.
.
LEIEM E REPASSEM!
.
GENERAIS DO CLUBE MILITAR AFIRMAM JULGAMENTO DO STF TORNOU-SE SUSPEITO E COM CARTAS MARCADAS!
.
http://cristalvox.com.br/2015/12/26/generais-do-clube-militar-afirmam-julgamento-do-stf-tornou-se-suspeito-e-com-cartas-marcadas/

forte apache

27 DE JANEIRO = PARALIZAÇÃO NACIONAL PELA DERRUBADA DOS COMUNISTAS!

AS INSTITUIÇÕES ESTÃO FUNCIONANDO PERFEITAMENTE?

SÓ SE FOR A POLÍCIA FEDERAL.


POR ISSO NO DIA 27 DE JANEIRO O POVO BRASILEIRO FARÁ PARALIZAÇÃO NACIONAL INCLUINDO CAMIONEIROS TRANCARÃO AS VIAS MARGINAIS DE SÃO PAULO E JUNTO COM O POVO FARÃO BLOQUEIOS NAS FRENTES DOS AEROPORTOS.
.
DIA 27 DE JANEIRO O BRASIL SERÁ PARADO À FORÇA POPULAR!

PELA INTERVENÇÃO MILITAR E PELO FIM DO PT E DO COMUNISMO NO BRASIL!

ESPALHE ESTA HASHTAG!
#INTERVENÇÃO27JANEIRO

INTERVENÇÃO MILITAR JÁ!




domingo, 27 de dezembro de 2015

DILMA ENVOLVIDA NA ROUBALHEIRA PARA A COMPRA DE APARTAMENTOS DE LULA COM A OAS!

!!!BOMBA BOMBA BOMBA!!!

Dilma está diretamente envolvida
na roubalheira para a compra
de apartamentos de luxo
ao lado daquele que Lula
'recebeu' da OAS!

!!!!!! VIA LAS VEGAS !!!!!!
.
É isso mesmo, amiguinhos! A união faz a força e só assim juntos podemos desmascarar os traidores da Pátria! Os editores do site O Antagonista publicaram um post bombástico no qual revela que o "vizinho" do apartamento da OAS no Guarujá que foi doado como propina às custas da Petrobras (NÓS) ao Lúcifer Imundácio Mulla da $ínika, foi comprado por intermédio de uma suposta empresa chamada Murray Holdings, LCC., de Las Vegas.

No entanto a imagem da cópia do contrato não consta o número da rua, apenas a abreviação cardinal em inglês "TH" (continua)...


... e o pior é que a suposta empresa Murray ao invés de ter registro tipicamente americano como TAX PAY NUMBER (número de pagamento de imposto) ou outro semelhante que funcionaria como o CNPJ, ela declara um registro brasileiro. Se a empresa tem registro nos Estados Unidos e no Brasil, o correto seria ela declarar o número de registro americano junto ao endereço original (matriz) americano e o CNPJ junto ao endereço da suposta filial no Brasil. 

Mas a curiosidade do Cristiano foi longe e buscou no Google o nome da empresa Murray Holdings, LCC., e encontrou este relatório no qual mostrava o número da rua onde ela estaria localizada em Las Vegas... que depois de Nova Iorque, é o lugar mais capitalista dos Estados Unidos... Capitalista vs. comunista? Comunista é bicho tão vigarista que quer o cú-munismo enfiado no meio de nossas baixas... Prosseguindo com o relatório de minha descoberta... Veja link: http://www.cnpjbrasil.com/e/cnpj/murray/11204718000116.

Então eu abri o programa Google Earth e joguei o endereço 520, S 7th Street, Las Vegas, NV, USA. E ta-dah!!!!! Encontrei ... não um prédio comercial, mas uma casa com uma placa. 

Então eu dei "zooooooooom" na imagem e vejam o que descobri.


EXATAMENTE ISSO: CREED & "GILES" LTD.

Ok, Cristiano, mas o que significa isso? Ué... Giles é o nome do assessor de gabinete e gerente da campanha eleitoral de Dilma Roussef, Giles Azevedo. Esse bandido foi até empossado como secretário de Minas e Energia quando Dilma foi ministra de Minas e Energia! Giles sempre foi "cachorrinho de estimação de Dilma."
fontes das imagens: 1ª) O Globo e 2ª) Folha de São Paulo.

Ou seja, os bandidos vermelhos são bandidos de nascença ou há algum regime de fuzilamento IMPOSTO A TODOS que desobedecerem o roteiro implantado sobre eles sabe-se lá por quem... Fidel, governo russo, o satanás, os três juntos? EXÉRCITO BRASILEIRO, NOS DÊ ACESSO À INFORMAÇÃO... ABRA A BOCA! NÓS CUSTEAMOS VOCÊS.

Você pode acessar as imagens da fachada da casa e dos arredores - inclusive a da plaquinha denunciante, hehehehe!!! - pelo Google Maps através deste link:
https://www.google.com/maps/@36.1629521,-115.1418527,3a,15y,319.52h,80.61t/data=!3m6!1e1!3m4!1sIuIRfi9tenUIfnH8Td9bLg!2e0!7i13312!8i6656

E para finalizar, deixo esta foto com mais detalhes da frente dessa empresa de fachada Murray Holdings, LCC., que na verdade se chama "Creed & Giles Ltd.", ... Creed significa Credo, de Crer em alguém ou em algo... Só falta o Pedir Maiscedo estar nessa "onda" "guarujástica!"

ATUALIZAÇÃO:
Porque raios a cambada de Dilma teria um escritório nos EUA com CNPJ ao invés de TAX PAY NUMBER envolvido em rolo da OAS e Lula e justamente tendo o nome Giles na placa (no local)? Vejam o endereço do site.
http://www.creedgiles.com

Sei não, mas penso que o Giles de Dilma é parente do Michael Giles do escritório de advocacia.

Tem angu nisso.

Note que na escritura de compra (acima) não consta o número da rua propositalmente. Mas ao jogar o nome da empresa, apareceu o número da rua e o mesmo número da casa.

E PARA PIORAR A SITUAÇÃO, ESSA SUPOSTA EMPRESA "MURRAY HOLDINGS, LCC., É VINCULADA AO WESLEY BATISTA DA JBS." TUDO EM "FAMIGLIA". (fonte: 13ª Vara de Justiça Federal e site O Antagonista).

Vejam aqui: Presidente da JBS pode ter elo com triplex vizinho de Lula 
http://www.oantagonista.com/posts/presidente-da-jbs-pode-ter-elo-com-triplex-vizinho-de-lula


Pelo visto a empresa estava lá desde 2013... observem a imagem.

Comunista gosta de Lincoln Town Car e de Chrysler 300C... Alguém viu algum Lada ou Volga estacionado na frente da casa? A casa em nada se parece com os prédios sem colunas da MRV ?feitas? com nosso dinheiro pelo des-programa Minha Casa Minha Morte.

SE A REPÚBLICA NÃO CAIR, QUE CAIA A PROSTITUTKA!


Cristiano Arruda

sábado, 19 de dezembro de 2015

A NÃO EXONERAÇÃO DE MARCELO THADEU PENHA CARDOSO DA POLÍCIA CIVIL

A NÃO EXONERAÇÃO DE MARCELO THADEU PENHA CARDOSO DA POLÍCIA CIVIL


MARCELO PENHA CARDOSO ESTÁ SENDO VITIMA DE INJUSTIÇA E PERSEGUIÇÃO POLÍTICA DO CRIME POLÍTICO ORGANIZADO E CORRE O RISCO DE SER EXONERADO DA POLÍCIA CIVIL. MARCELO ESTÁ SENDO PERSEGUIDO POR TER DEFENDIDO VIDAS NA ESPLANDA DOS MINISTÉRIOS DIA 18 DE NOVEMBRO DE 2015 NO ATAQUE DO MST E DA CUT, SENDO ACUSADO DE RACISTA E FASCISTA PELOS DIREITOS HUMANOS, PELO GOVERNO FEDERAL E OS MOVIMENTOS PRÓ-GOVERNO. MARCELO NÃO É RACISTA, APENAS DEFENDEU SEU POVO E AGIU EM LEGÍTIMA DEFESA. FOI PRESO E TEVE QUE PAGAR UMA FIANÇA DE R$ 15.670,00 PARA SER SOLTO. ESTÁ SENDO MONITORADO PELO SERVIÇO DE INTELIGÊNCIA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. QUEREMOS QUE SEJA APURADO O FINANCIAMENTO DO MOVIMENTO DE ESQUERDA QUE ESTÁ CLARAMENTE VITIMANDO UM INOCENTE QUE ATIROU PARA DEFENDER OS SEUS E SUA PRÓPRIA VIDA. 

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

HANGOUT IMPORTANTE COM O PRÍNCIPE LUIZ PHILIPPE DE ORLEANS E BRAGANÇA

POR FAVOR, ASSISTAM TUDO E REPASSEM A TODO VAPOR!
 .
CONHEÇAM O PRÍNCIPE LUIZ PHILIPPE DE ORLEANS E BRAGANÇA.

POPULAÇÃO FOI ACLAMAR O GENERAL MOURÃO NA FRENTE DO Q.G. PINHEIRINHO E ENVIOU MENSAGEM!



GENERAL MOURÃO VISITOU QG DO PINHEIRINHO EM CURITIBA. A MENSAGEM DOS PRESENTES NA ENTRADA FOI ENTREGUE A ELE. "FAXINA GERAL NO CONGRESSO.INTERVENÇÃO MILITAR JÁ!"
Posted by Joao Bueno Nogueira on Friday, December 18, 2015

ESSE SABE INTERPRETAR O ESPÍRITO SATÂNICO DE DILMÔNIA.



Dilma Ducheff se pronuncia sobre o Impeachment e o Whatsapp... Hj é Festa no Alvorada.
Posted by Carioca - Márvio Lucio on Thursday, December 17, 2015

VAMOS ESPERAR 2016, 2017, 2018...? ÀS ARMAS!!!!!!!!!

É a tempestade perfeita: presidente ilegítima e incapaz, Congresso comandado por facínoras, STF aparelhado, ministro da Fazenda ideológico, empresários covardes, povo fraco, commodities em baixa, infra-estrutura em frangalhos,indústria sucateada. Você achou 2015 ruim? Então espere 2016, 2017, 2018...

!!!!!ÀS ARMAS!!!!!

O GOLPE AO IMPEACHMENT E OS RESTAURANTES DOS CRIMES DE MULLA!

PESSOAL, LEIAM AQUI AQUELA HISTÓRIA DO RESTAURANTE FREQUENTADO POR LULA E DO LEWANDOWSKI.
http://revistaepoca.globo.com/tempo/noticia/2012/07/republica-de-sao-bernardo.html

O RESTAURANTE DE ONDE SAIU CELSO DANIEL ANTES DE MORRER FOI O BABY
BEEF.

A república de São Bernardo

O prefeito Luiz Marinho, o ministro Ricardo Lewandowski, o empresário Laerte Demarchi e o ex-presidente Lula fazem parte do mesmo círculo de amigos – e voltaram a ser muito próximos

ALBERTO BOMBIG E VINÍCIUS GORCZESKI
O Prefeito (Foto: Nilton Fukuda/AE)
Em janeiro do ano passado, o município de São Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo, ganhou um morador ilustre: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele ocupa a cobertura de um edifício residencial na Avenida Prestes Maia, no bairro Santa Teresinha, próximo ao centro da cidade em que se projetou, nos anos 1980, como líder do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. De lá para cá, a visibilidade do município – e sua prosperidade – só tem crescido. É de São Bernardo o prefeito Luiz Marinho, escolhido por Lula para ser o articulador político de seu grupo dentro do PT. No dia 5 deste mês, Marinho recebeu a visita de Dilma Rousseff na inauguração de uma unidade de saúde – ele foi o único prefeito petista candidato à reeleição que teve a oportunidade de posar para uma foto com a presidente. Marinho é amigo do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, que nasceu no Rio de Janeiro e foi criado em São Bernardo. Lewandowski foi o revisor do processo do mensalão e participa do julgamento que mobilizará o país a partir do dia 2 de agosto. Os três – Marinho, Lewandowski e o próprio Lula – são frequentadores do restaurante São Judas Tadeu e amigos do dono, Laerte Demarchi, um são-bernardense da gema. Laerte se orgulha de ter assistido, no estabelecimento famoso pelo frango com polenta, ao nascimento do partido político que há dez anos governa o Brasil.
Marinho, Lewandowski, Demarchi e Lula pertencem a um mesmo círculo de amigos – e o relacionamento dos quatro vem se estreitando nos últimos tempos. O prefeito Marinho é um homem afeito a celebrações públicas. Nos últimos dois anos, organizou três homenagens a Lewandowski, cuja família fez história em São Bernardo. Lewandowski esteve presente a todas. A mais recente foi no dia 28 de março, na Faculdade de Direito de São Bernardo, controlada pelo município. Lewandowski, com Marinho a seu lado, deu uma aula magna a um auditório lotado e foi saudado como o mais ilustre ex-aluno e ex-professor da faculdade. Um mês antes, Marinho inaugurara uma escola de educação infantil com o nome da mãe do ministro, Karolina Zofia Lewandowska, morta em 2010. Em 2011, Marinho já homenageara Lewandowski por ele ter sido o primeiro presidente do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural (Compahc) do município.

Lewandowski ingressou na vida pública pelas mãos dos Demarchis. Quando Walter Demarchi, irmão de Laerte, era vice-prefeito de São Bernardo, entre 1983 e 1988, ele convidou o então advogado a ocupar a Secretaria de Assuntos Jurídicos. O então prefeito, Aron Galante, mal conhecia Lewandowski. Ele recorda: “Foi a família Demarchi que indicou o secretário jurídico. Disseram: ‘Nós temos o Lewandowski’. Eu respondi: ‘Traz ele aqui’. Nem o conhecia direito”.

As famílias Lewandowski, de origem suíça, e Demarchi, sobrenome italiano, se conheceram em São Bernardo no final do século passado e se estabeleceram no mesmo pedaço de terra que hoje abriga o bairro Demarchi. Os Lewandowskis tinham um sítio onde fica hoje o condomínio de alto padrão Swiss Park, ao lado do restaurante e onde os Lewandowskis mantêm uma casa. A família Demarchi se orgulha de ter sugerido o nome de Lewandowski quando surgiu uma vaga no Supremo. “O único favor que pedimos ao Lula, que foi meu irmão Laerte quem pediu, foi para que ele colocasse o Ricardo como ministro, porque não sei que ministro ia se aposentar (era Carlos Velloso). O Lula falou: ‘Tudo bem’”, afirmou Walter Demarchi a ÉPOCA. E Lewandowski se tornou ministro em 2006.
O juiz (Foto: divulgação)
Quis o destino que ele fosse o revisor do processo do mensalão, o maior escândalo político do governo Lula. ÉPOCA passou quase um mês visitando a cidade e conversando com interlocutores do presidente, do prefeito e de seus amigos. Todos reverberam a “preocupação do Lula e do Marinho com o uso político” do julgamento – e relatam a pressão, de forma direta ou indireta, sobre Lewandowski. Laerte Demarchi diz que a família do ministro anda preocupada com a pressão sobre “Ricardo”. Ele relatou uma conversa que teve com Anita Lewandowski no dia 30 de junho, quatro dias depois de o ministro ter apresentado seu voto revisor do mensalão após uma reprimenda pública do presidente do Supremo, Carlos Ayres Brito. Anita desabafou: “Vocês viram o que estão fazendo com o Ricardo?”.
Laerte respondeu: “Mas não é isso o que ele queria, ser ministro do Supremo? Agora, aguenta. Por que ele está preocupado? Se não tem nada (para condenar os réus), então não tem nada. Não vai ter problema”. A conversa foi relatada por Laerte a ÉPOCA numa mesa do restaurante. Ele torce pela absolvição do ex-deputado José Dirceu, um dos réus no processo: “Podem falar o que quiserem, mas eu realmente acredito nesse homem”. Sobre o julgamento, Walter Demarchi afirmou: “Lewandowski não passará um réu no moedor de carne sem ter certeza de sua culpa”. ÉPOCA perguntou aos irmãos Laerte e Walter se haviam conversado com o amigo Lewandowski sobre o assunto. Os dois disseram que não. Apesar de as famílias se frequentarem e os Lula da Silva também serem próximos de Lewandowski e de sua irmã. Lula e Laerte Demarchi também passaram juntos parte das férias de julho numa chácara.

Prosperidade
O município de São Bernardo, que ostenta em sua bandeira a figura de um bandeirante e de um indígena, vive um bom momento não apenas pelo protagonismo de seus filhos e moradores ilustres na vida pública brasileira. Há também prosperidade na área das verbas públicas. No primeiro semestre deste ano, São Bernardo ganhou R$ 79,3 milhões em transferências da União, R$ 20 milhões a mais que Guarulhos, cidade também administrada pelo PT, porém com quase 500 mil habitantes a mais que o município comandado por Marinho.
Lewandowski não passará um réu no moedor sem ter certeza de sua culpa "
WALTER DEMARCHI 
Além de dinheiro, Marinho tem poder. Ele foi encarregado por Lula de cuidar das costuras políticas com os diretórios do PT e aliados. Foi ele quem ajudou a convencer Lula a posar para a já famosa foto ao lado do deputado federal Paulo Maluf em São Paulo. Marinho também negociou a aproximação do PT com Gilberto Kassab (PSD), seu parceiro em São Bernardo. Segundo um dirigente do PSD ouvido por ÉPOCA, Marinho “aproximou” Kassab a Lewandowski no momento em que o STF analisava o pedido do partido de Kassab para ter direito ao tempo gratuito de TV nas eleições neste ano – a causa foi vitoriosa. Transformar Marinho num líder nacional do PT é hoje uma obsessão de Lula. Foi ele quem pediu a Dilma que ela participasse da inauguração de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no dia 5 deste mês. O evento conferiu o prestígio que faltava a Marinho, hoje identificado dentro do partido como “o homem que conversa com o Lula”. À medida que ele, ex-sindicalista como Lula, se fortalece como administrador e articulador, o ex-presidente ganha um ator fiel a seu projeto de não perder o controle do PT para o grupo rival – aquele que começa a se formar em torno de Dilma e tem como estrelas os ministros mais próximos da presidente, como Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Aloizio Mercadante (Educação). Marinho também é uma opção de Lula para a disputa do governo de São Paulo em 2014.

O conselheiro (Foto: reprodução)
A aliança entre Lula e Marinho causa desconforto em petistas paulistanos, que não aceitam a intromissão de Marinho no comando da candidatura de Fernando Haddad a prefeito de São Paulo. Segundo eles, Lula quer impor um líder assim como impôs Haddad candidato. A confiança de Marinho na própria reeleição é tamanha, e seus projetos tão mais amplos, que ele diz: “Abro mão da presença dele, Lula (na minha campanha), para que ele possa ir a Santo André, Mauá e São Paulo”. Se o projeto de Lula e Marinho der certo – e se o voto de Lewandowski acompanhar os vaticínios dos irmãos Demarchi –, a vitória poderá ser creditada à “República de São Bernardo”.

Capítulo 8

O assassinato do prefeito Celso Daniel,
coordenador da eleição de Lula em 2002

Em março de 2003, logo após assumir a Presidência da República, Lula recebeu em sua casa, em São Bernardo do Campo (SP), Mara Gabrilli. Durante 20 minutos, o presidente ouviu um relato que misturava chantagem e extorsão contra os donos da empresa de ônibus Expresso Guarará, pertencente à família de Mara Gabrilli. Para prestar serviços em Santo André (SP), cidade vizinha de São Bernardo do Campo, os proprietários da Expresso Guarará eram obrigados a pagar propina à Prefeitura do PT. Palavras de Mara Gabrilli:
.
- Contei como era o esquema, quem cobrava a propina, e como a Prefeitura tirou a licença para a empresa da minha família operar algumas linhas, em represália ao fato de meu pai não ter dado propina a partir de certo momento.
.
Mara Gabrilli não deixou dúvidas. Indicou para Lula os responsáveis pelo esquema de corrupção: o secretário de Serviços Municipais, Klinger Luiz de Oliveira (PT), o empresário Ronan Maria Pinto e o ex-segurança do prefeito Celso Daniel (PT), Sérgio Gomes da Silva, o "Sombra".
.
- Eu falei ao presidente sobre o pagamento da caixinha que meu pai era obrigado a fazer a cada dia 30. E falei da retaliação imposta à empresa desde que eu e minha irmã, Rosângela, denunciamos o fato ao Ministério Público.
.
Ao denunciar a corrupção em Santo André à CPI dos Bingos, em 2005, Rosângela Gabrilli afirmou que os donos de empresas de ônibus na cidade eram pressionados a contribuir para o caixa 2 do PT desde 1997, durante a segunda gestão do prefeito Celso Daniel. Cabia ao Expresso Guarará o repasse de R$ 40 mil mensais, em dinheiro vivo. Do depoimento de Rosângela:
.
- Os achaques eram feitos com intimidação e ameaça. Diziam que o Klinger tinha sempre um revólver preso na canela. Isso constrangia muito. E ele lembrava a cada momento: "Com o poder não se brinca, o poder tudo pode".
.
Antes de sair do apartamento de Lula, Mara Gabrilli ouviu o presidente dizer que tomaria providências e lhe daria uma resposta. Não foi o que aconteceu:
- Ocorreu justamente o contrário. Klinger soube, reclamou, e dias depois uma comissão de sindicância da Prefeitura se instalou na nossa empresa.
.
Celso Daniel foi sequestrado em 18 de janeiro de 2002, no início do ano que terminaria com a eleição do presidente da República. Celso Daniel era coordenador de campanha de Lula. O corpo do então prefeito foi achado dois dias depois. Os assassinos o torturaram antes de matá-lo, provavelmente para obter os números das senhas das contas secretas em paraísos fiscais no exterior onde, possivelmente, ele guardava dinheiro para a campanha do PT.
.
O médico João Francisco Daniel, irmão do prefeito morto, contou sobre a conversa que teve com Gilberto Carvalho (PT-SP), secretário de Governo de Celso Daniel, após a missa de sétimo dia, em 26 de janeiro de 2002. Importante ressaltar que, um ano depois, ao assumir o cargo de mais alto mandatário da nação, Lula nomeou Carvalho para o posto estratégico de chefe de gabinete do presidente. Lula levou-o de Santo André para Brasília.
.
Depois da missa de sétimo dia, Gilberto Carvalho esteve na casa de João Francisco Daniel e, emocionado, fez uma confissão que pediu para ser mantida em sigilo. Admitiu que, durante a administração Celso Daniel, entregou dinheiro repassado por empresas que mantinham contratos com a Prefeitura, diretamente para o presidente nacional do PT, deputado José Dirceu (SP). Declaração do médico João Francisco Daniel:
.
- Achei estranho Carvalho me contar isso, mas ele contou. Contou três vezes. Falou que, com muito medo, pegava seu Corsa preto e ia até São Paulo entregar o dinheiro para o então deputado José Dirceu.
.
Cerca de dez dias depois, Gilberto Carvalho voltou ao assunto com João Francisco Daniel, quando se queixou de Sérgio Gomes da Silva, o "Sombra", o ex-segurança de Celso Daniel acusado de ser o mandante da morte:
.
- O Gilberto disse que o Sérgio era muito violento, que constrangia os empresários colocando revólver na mesa quando ia conversar com eles.
.
Na terceira conversa, Gilberto Carvalho admitiu ter levado, de uma só vez, R$ 1,2 milhão a José Dirceu. Para João Francisco Daniel, Celso Daniel autorizara o esquema de corrupção, mas com a finalidade de dar dinheiro ao PT. E resolvera rompê-lo ao descobrir que parte substancial da propina acabava nas mãos de Sombra, Klinger Luiz de Oliveira e Ronan Maria Pinto.
.
- Quando ele ficou sabendo que esse grupo estava enriquecendo de maneira estratosférica, ele realmente tentou brecar aquele tipo de coisa.
.
Uma das funções de Celso Daniel, como coordenador da campanha de Lula, era arrecadar fundos para as despesas com a eleição. O "grupo" de Santo André, porém, teria decidido pôr as mãos no dinheiro. Por isso o prefeito teria sido torturado. Queriam informações sobre o paradeiro do caixa 2. Em seguida o eliminaram. João Francisco Daniel expôs o irmão ao Ministério Público:
.
- Não tive saída. Infelizmente, ele montou um caixa 2 em Santo André, para as campanhas do PT.
.
De fato, duas testemunhas revelaram ao Ministério Público as evidências de que Celso Daniel participava do esquema. Uma empregada doméstica que trabalhou para o então prefeito viu, oito meses antes do assassinato, três sacolas plásticas de supermercado, num canto da lavanderia do apartamento. As sacolas estavam abarrotadas de maços de dinheiro, preso por elásticos, em notas de R$ 10, R$ 50 e R$ 100, tudo sob um lençol branco.
.
O outro depoimento é de um garçom do restaurante Baby Beef, de Santo André, frequentado por Celso Daniel, Sombra, Klinger Luiz de Oliveira e Ronan Maria Pinto. Os quatro tinham o costume de sentar em volta da mesma mesa. O garçom viu Ronan, empresário do setor de transportes e de coleta de lixo, tirar da bolsa um maço de dinheiro e entregá-lo a Klinger. Vereador e secretário de Celso Daniel, Klinger Luiz de Oliveira tratou de esconder a soma sob o guardanapo, para que ninguém visse o que era. Em outra ocasião, o mesmo garçom reparou uma mulher chegar ao restaurante para entregar uma sacola cheia de dinheiro a Ronan Maria Pinto.
.
Declaração do promotor Roberto Wider Filho:
.
- Esses depoimentos mostram que Celso Daniel tinha envolvimento com o esquema de corrupção. A presença de notas de R$ 10 é um indicativo de que os recursos podem ter origem no esquema de caixinha de ônibus.
.
Para o Ministério Público, o esquema começou a implodir quando Celso Daniel descobriu que a propina não vinha irrigando os cofres do PT, como o prefeito desejava, mas morria nas mãos de Sombra, Klinger e Ronan.
.
Do promotor Roberto Wider Filho:
.
- Ele foi eliminado porque se opôs ao esquema ao verificar que o dinheiro estava sendo direcionado para os integrantes da quadrilha, e não mais para as campanhas eleitorais de seu partido.
.
Outro irmão do prefeito morto, Bruno Daniel, depôs à CPI dos Bingos:
.
- Há evidências de que existia na Prefeitura de Santo André um esquema de arrecadação para o PT. Suponho que Celso enveredou naquilo como um mal necessário para viabilizar as atividades do partido, e lamentavelmente deu no que deu. O que possivelmente aconteceu é que parcelas desses recursos começaram a ser destinadas para outras finalidades, razão pela qual Celso resolveu alterar a situação e esta pode ter sido a motivação do crime.
.
Bruno Daniel criticou o ex-deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP), designado pelo PT, com aval de Lula, para acompanhar o caso. Luiz Eduardo Greenhalgh defendia a tese de que o assassinato havia sido crime comum, sem vinculação com a política. O irmão Bruno Daniel não concordava:
.
- O povo de nossa cidade não aceita as explicações dadas até o momento, porque são superficiais e contraditórias para um crime que desde o início se revelou complexo. Falamos com outros membros do PT esperando trazer elementos para elucidar o caso. E o que posso afirmar é que poucas pessoas dentro do partido contribuíram para isso.
.
Sérgio Gomes da Silva, o Sombra, ocupou papel central no caso Celso Daniel. Era pessoa de inteira confiança do prefeito. Exerceu a função de motorista e segurança particular de Celso Daniel. Ocupou cargo em comissão no gabinete do prefeito. Quando Celso Daniel foi deputado, nomeou Sombra como seu assessor parlamentar. Sombra era muito próximo.
.
O ex-motorista enriqueceu. Na noite do sequestro, Celso Daniel jantara com Sombra no sofisticado restaurante Rubayat, na zona sul de São Paulo. Os dois foram para lá no luxuoso automóvel Pajero de propriedade de Sombra. O carro foi abordado de forma suspeita na volta a Santo André, tarde da noite.
.
Apesar da experiência como segurança particular e de estar no comando de um veículo blindado, Sombra alegou problemas mecânicos que o levaram a diminuir a velocidade e a parar. Não ficou claro tampouco por que a trava da porta ao lado de Celso Daniel abriu, expondo o prefeito aos criminosos.
.
Os promotores suspeitam de que Sombra conhecia um dos acusados de atacar o prefeito. Falou-se até de um suposto pagamento de US$ 40 mil. Teria sido feito ali mesmo, na cena do crime, aos homens supostamente contratados para fazer o sequestro.
.
Um morador testemunha da ação dos criminosos, que agiram na região dos "três tombos", na zona sul de São Paulo, relatou que arrancaram Celso Daniel "como um animal" da Pajero. Enquanto isso, Sombra teria mantido atitude passiva e demonstrado "aparente cumplicidade".
.
Uma mulher passava pelo local na hora do sequestro. Celso Daniel ainda estava dentro do veículo, com a cabeça encostada no vidro. Ela viu Sombra fora da Pajero, com ar de tranquilidade, falando ao telefone.
.
Se já não houvesse a intenção de matar o prefeito, é possível que Celso Daniel tenha percebido, durante a ação dos criminosos, o envolvimento do "amigo" com os sequestradores. A solução seria eliminá-lo.
.
Antes de ser morto o prefeito foi barbaramente torturado. Num crime comum de sequestro, a vítima geralmente é poupada. A sua boa integridade física é condição para o pagamento do resgate. Celso Daniel foi torturado para que fornecesse informações aos criminosos. Declaração do perito criminal Carlos Delmonte Printes, que examinou o corpo de Celso Daniel:
.
- É absolutamente excepcional a ocorrência de morte em casos de sequestro-relâmpago. Com relação ao sequestro convencional, nunca examinei um caso em que houvesse ritual de tortura, crueldade e desproporcionalidade que verifiquei no exame do corpo do prefeito.
.
Como evidências da tortura, o perito criminal apontou a expressão de terror na face, queimaduras nas costas e lesões no corpo, provocadas por estilhaços de balas disparadas perto da vítima, com a finalidade de amedrontá-la. Para matá-lo, alvejaram-no oito vezes, diretamente no rosto, tórax, pernas e mãos.
.
O médico legista Paulo Vasques também viu o corpo de Celso Daniel. Confirmou a prática de tortura antes do assassinato. Referiu-se a marcas de coronhadas na cabeça e à rigidez muscular decorrente da tensão nervosa. Informou que o prefeito vestia outra calça quando o corpo foi encontrado, pois o traje não apresentava as marcas de tiro existentes no corpo dele.
.
Sérgio Sombra chegou a ficar oito meses na prisão, acusado de ser o mandante do crime. O STF (Supremo Tribunal Federal), por decisão do ministro Nelson Jobim, determinou a sua libertação. O mesmo Nelson Jobim impediu investigações sobre o envolvimento de José Dirceu com a corrupção em Santo André. Em seu segundo mandato como presidente da República, Lula nomeou Nelson Jobim (PMDB-RS) ministro da Defesa.
.
Na hora de dar explicações à CPI dos Bingos, Sérgio Sombra irritou os senadores. Insistia não saber por que a porta do carro blindado se abriu:
.
- A porta abriu de repente, do lado do Celso, não sei como.
.
Ao ser questionado sobre quatro depósitos bancários descobertos em sua conta, num total de R$ 40 mil, todos feitos por Luiz Alberto Gabrilli, proprietário da Expresso Guarará, Sombra saiu-se assim:
.
- Acho que ele se enganou, pode ter feito pagamento cruzado, por engano.
.
De acordo com o Ministério Público, empresários que mantinham contratos com a administração de Santo André eram forçados a entregar dinheiro vivo ao esquema, todos os meses. Durante uma época, por algum desarranjo na organização criminosa, a propina foi depositada diretamente na conta bancária de Sérgio Sombra. Ficou o rastro. Ainda na CPI, Sombra tentou explicar uma transferência bancária de Luiz Alberto Gabrilli, feita em 1997:
.
- Tinha vários depósitos para receber por serviços de segurança que prestei. Esse dinheiro, só fiquei sabendo agora que havia sido depositado por ele na minha conta. Não sei como foi parar na minha conta.
.
A Polícia Civil de São Paulo não responsabilizou nenhum dos atores políticos suspeitos de envolvimento no assassinato de Celso Daniel. O caso intrigou também pelas mortes violentas de seis pessoas que testemunharam ou estiveram, por algum momento, nas cenas do crime.
.
Entre os mortos, o garçom Antonio Palácio de Oliveira, que serviu Celso Daniel e Sérgio Sombra no restaurante Rubayat, pouco antes do sequestro. Ele chegou a receber um depósito bancário misterioso, no valor de R$ 60 mil, antes de morrer. Mas dois homens o perseguiram em sua motocicleta. Durante a fuga perdeu o controle, bateu num poste e perdeu a vida.
.
O homem que presenciou a morte do garçom e contou à polícia o que viu, também foi morto. Paulo Henrique Brito levou um tiro nas costas.
.
Investigações chegaram a apontar ligações de amizade entre Sombra e Dionísio de Aquino Severo, que teria namorado a ex-mulher de Sombra. Dionísio Severo, acusado de envolvimento no sequestro, foi resgatado de helicóptero de um presídio, de forma espetacular, dois dias antes do sequestro. Depois do crime, recapturado, o mataram numa cadeia em Guarulhos (SP).
.
Intrigante também a morte do investigador de polícia Otávio Mercier, que conversou com Dionísio Severo um dia antes da fuga do presídio. Foi alvejado por homens que tentavam entrar em sua casa.
.
Manoel Sérgio Estevam, o "Sérgio Orelha", abrigou Dionísio Severo em seu apartamento, logo após a morte do prefeito. Foi assassinado com vários tiros.
Por fim, morreu o homem que chamou a polícia ao achar o corpo de Celso Daniel, jogado em uma estrada de terra em Juquitiba (SP). Assassinaram Iran Moraes Redua com dois tiros.
.
Quatro anos depois da morte de Celso Daniel, a família do economista Bruno Daniel, irmão do prefeito assassinado, foi obrigada a deixar o País. Partiu às escondidas para Paris, onde o governo da França a recebeu como perseguida política no Brasil. Bruno Daniel, a mulher e os três filhos do casal, moradores de Santo André, não suportaram as ameaças de morte que se seguiram ao depoimento de Bruno, no qual ele acusou José Dirceu e Gilberto Carvalho de envolvimento no esquema montado por Celso Daniel.
.
Em abril de 2006, o Ministério Público abriu inquérito para investigar o ex-ministro e ex-deputado José Dirceu, acusado de se beneficiar do dinheiro desviado em Santo André. Gilberto Carvalho também foi objeto de investigação. Apesar disso, Lula o manteve na posição estratégica de chefe de gabinete do presidente da República.
.
José Dirceu e Gilberto Carvalho foram citados por crimes de formação de quadrilha, receptação e lavagem de dinheiro. O Ministério Público também anunciou investigação sobre a origem de R$ 500 mil supostamente repassados pelo PT ao advogado Aristides Junqueira, que foi contratado para defender o PT no caso Celso Daniel.
.
O Ministério Público acabou denunciando Sérgio Gomes da Silva, o Sombra, Klinger Luiz de Oliveira, Ronan Maria Pinto e Maurício Mindrisz, que ocupou o cargo de superintendente da Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental) em Santo André. Todos foram acusados por crimes de formação de quadrilha, fraude e dispensa ilegal de licitação.
.
Conforme a denúncia, os quatro, em parceria, atuavam com o prefeito Celso Daniel para desviar recursos públicos. Formavam "quadrilha organizada estável", com o objetivo de "cumprir como meta estabelecida um mega-esquema de corrupção".
.
Para os promotores, Sombra, mesmo sem ocupar cargo na Prefeitura, exercia grande influência na administração municipal. O esquema favorecia Ronan Maria Pinto, dono de empresas de transporte e de coleta de lixo, que mantinham contratos com o governo municipal.
.
Uma dessas empresas, a Rotedali, foi contratada 12 vezes para executar serviços de limpeza, varrição e manutenção de aterro sanitário, em transações que envolveram cerca de R$ 50 milhões. Parte do dinheiro teria alimentado o caixa 2 do PT. Dos 12 contratos, dez foram celebrados sem licitação. A Justiça e o Tribunal de Contas do Estado contestaram cinco deles. Sombra foi sócio de Ronan em negócios com empresas de ônibus em Fortaleza e Cuiabá.
.
Trecho da denúncia dos promotores Roberto Wider Filho, Amaro José Thomé Filho e Adriana Ribeiro Soares de Morais:
.
"Sérgio, aproveitando-se de seu prestígio junto à administração, idealizou com Daniel a formação da sociedade delinquente e era um dos destinatários dos recursos ilícitos. Foi tesoureiro da campanha eleitoral de 1996. Arrecadou diretamente parte do dinheiro, que foi depositado na sua conta corrente."
.
No início do segundo mandato de Lula, em 2007, o Ministério Público pediu o bloqueio de bens do PT e de Gilberto Carvalho, no montante de R$ 5,3 milhões. O valor correspondia à estimativa de dinheiro desviado pelo esquema de corrupção na área de transporte público em Santo André. A ação civil pública também denunciou Sérgio Gomes da Silva, Klinger Luiz de Oliveira, Ronan Maria Pinto e vários empresários. Da denúncia:
.
"Formaram uma quadrilha determinada a arrecadar recursos através de achaques a empresários, bem como através de desvio de dinheiro dos cofres públicos municipais, conforme outras denúncias já ajuizadas, relativas a contratos de obras públicas e de coleta e destinação final de lixo, ambas recebidas judicialmente". Outro trecho da denúncia:
..
"Todos os recursos auferidos pela quadrilha, na concepção do finado prefeito Celso Daniel, deveriam financiar campanhas eleitorais do PT, tanto em âmbito municipal e regional quanto em âmbito nacional. O dinheiro amealhado era, em parte, separado e entregue a Gilberto Carvalho, que o transportava, em seu veículo particular, ao escritório de José Dirceu, que recebia os recursos ilícitos em espécie, na qualidade de presidente do PT, para o financiamento de campanhas do interesse daquela agremiação."
.
Em 9 de fevereiro de 2006, prestou depoimento ao Ministério Público o ex-secretário de Habitação de Mauá (SP), Altivo Ovando Júnior. Mauá, na Grande São Paulo, é vizinha de Santo André. A cidade foi governada pelo prefeito Oswaldo Dias (PT) de 1997 a 2000, período em que Altivo Ovando Júnior exerceu o cargo de secretário. Ele narrou fatos ocorridos durante a campanha de Lula a presidente da República, em 1998. Do depoimento:
.
"O declarante se recorda de que, no pleito de 1998, Lula compareceu no gabinete do prefeito de Mauá, oportunidade em que, utilizando termos chulos, cobrou de Oswaldo Dias maior arrecadação de propina em favor do PT."
.
A frase de Altino Ovando Júnior sobre o pedido de Lula:
.
"Ele dizia: 'Pô, Oswaldão, tem que arrecadar mais. Faz que nem o Celso Daniel em Santo André. Você quer que a gente ganhe a eleição como?"









GOLPE COMUNISTA JÁ FOI DADO, A LADRA ROUBA, SE DÁ BEM E FICA QUIETA.

AS INSTITUIÇÕES ESTÃO FUNCIONANDO... COMO UM CARRO SEM FREIO A FAVOR DA BÚLGARA ASSASSINA QUE TEM CARTA VERDE PARA BRINCAR DE DESTRUIR UM PAÍS.

LEWANDOWSKI É BUMLAI! 

O presidente do STF, Ricardo Lewandowski, foi indicado pelo dono de um restaurante de São Bernardo do Campo que fazia negócios com José Carlos Bumlai, o operador de Lula.

É o que lhe dá legitimidade para atropelar o parlamento.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Depois que as "largatas" começarem a estacionar nas frentes desses bordéis dos 3 PODRERES, não venham dizer que é um golpe... porque será outro contra-golpe.

Ministros do Supremo brincam com fogo

Caso sejam bem-sucedidos na sua irresponsabilidade, o que queima é a carne alheia

Por: Reinaldo Azevedo  
Eu combati, sim, a indicação de ambos. Não escondo nada do leitor. Até porque tudo está em arquivo. No caso de Dias Toffoli, há muito apontei a seriedade de seus votos. Hoje, não é diferente. Igualmente, destaque-se a qualidade do trabalho do relator, Edson Fachin.
Elogio porque concordam comigo? Não! Elogio porque se amparam em textos legais.
Roberto Barroso tem opiniões. Nada mais. Marco Aurélio tem opiniões e ironias.
Celso de Mello não conseguiu nem mesmo dizer em que artigo da Constituição se amparava. Afirmou que o Senado pode se negar a processar Dilma pensando no “útil, oportuno e conveniente”.
Ministros do Supremo estão brincando com fogo.
É uma pena que seja a carne alheia a queimar caso sejam bem-sucedidos na sua irresponsabilidade.

GOLPE NO TSE!!!! - O ROUBO ELEITORAL AGORA É "PROESA" - TSE arquiva ação contra campanha de Dilma por suposto uso dos Correios

Em 2014, Aécio Neves acusou estatal de não distribuir material tucano.
TSE também rejeitou punir ex-presidente da estatal por notícia em site.

Mariana OliveiraDa TV Globo, em Brasília
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) arquivou nesta quinta-feira (17) representação contra a campanha eleitoral da presidente Dilma Rousseff por suposto uso da máquina pública envolvendo os Correios na eleição do ano passado.
O TSE analisou ação que foi protocolada pelo PSDB depois de os Correios divulgarem, em outubro de 2014, nota no site informando que entrariam na Justiça contra o então candidato do partido, senador Aécio Neves (MG), que afirmou à época que a empresa não estava distribuindo material da campanha tucana à Presidência em municípios mineiros para beneficiar a campanha petista.
Em outubro do ano passado, o então presidente dos Correios, Wagner Pinheiro, negou o uso político da empresa em favor da petista. Na ocasião, ele disse que denúncias eram "descabidas" e "inverídicas" e denegriam a imagem da estatal.
Após a fala do presidente, os Correios divulgaram no site que processariam o candidato tucano. O ministro Tarcisio Vieira de Carvalho Neto, do TSE, concedeu, na ocasião, liminar (decisão provisória) pela retirada da reportagem da página dos Correios. A decisão do ministro acolheu pedido da coligação de Aécio.
Por 4 votos a 3, o TSE também rejeitou nesta quinta punição a Wagner Pinheiro. Para a maioria dos ministos, a estatal somente utilizou o site para se defender de suspeitas e a nota foi meramente informativa.
Origem do caso
As acusações do PSDB contra os Correios começaram a ser feitas em outubro de 2014, após a divulgação de um vídeo pelo site do jornal "O Estado de S.Paulo". O vídeo mostrava uma reunião com dirigentes dos Correios em Minas Gerais, em que o deputado estadual Durval Ângelo (PT-MG) afirma que a presidente Dilma Rousseff só chegou a 40% das intenções de votos no estado porque "tem dedo forte dos petistas dos Correios".
Em outro momento, Durval Ângelo, um dos coordenadores da campanha de Fernando Pimentel ao governo de Minas, pede ao presidente dos Correios, Wagner Pinheiro, que informe à direção nacional do partido sobre "a grande contribuição que os Correios estão fazendo" nas campanhas. O vídeo não deixa claro qual é a "grande contribuição" que a estatal estaria fazendo.
O presidente dos Correios negou que a empresa mobilize os funcionários para campanha eleitoral.